Diz Jornal - Cultura e Cinema | Documento | Nutrição | Informes | Internet | Edgard Fonseca | Pelo Whats | E! Games | Fernando Mello | Pela Cidade | Em Foco

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores

Tels: (21) 3628-0552 / 9613-8634
Rua Cônsul Francisco Cruz nº 03 - Centro - Niterói/RJ | 24020-270
Email: dizjornal@hotmail.com

PROJETO GRÁFICO - Edgard Fonseca Comunicação Ltda.
TIRAGEM IMPRESSA: 16.000 Exemplares

Newsletter
Receba nossas edições no seu e-mail.

 
 

-----------------
Pela Cidade
Chá Beneficente da Pestalozzi...

-----------------
Em foco
Niver de Valéria Câmara...

-----------------
Egames
Como "Pokémon" Foi Inventado...

-----------------
renda fina
Como "Pokémon" Foi Inventado...

-----------------
Internet
Bitcoin Deve Ser Proibido?...

-----------------
Informes
Eleição na AFACC...

-----------------
Dnutricao
Exames Bioquímicos...

A Rua dos Gatos

Durante a semana que passou, recebemos várias denúncias a respeito de uma criação e manutenção de gatos de rua e o pedido de providências, sob as mais diversas alegações.

As pessoas, algumas anônimas, e outras explicitas (mas que pedem que não revelem seus nomes), alegam que apesar de existir até a formação de um grupo no WhatsApp contra a proliferação desordenada desta população de felinos, temem por represálias de pessoas, ditas protetoras de animais, que em outras oportunidades agiram agressivamente.

É claro que se deve reconhecer a intenção bondosa e altruísta de uma senhora residente na Rua Pastor Manoel Avelino de Souza, no Bairro de Fátima, que com a melhor das intenções alimenta uma população de gatos de rua. Entretanto, estas ações também pressupõem cuidados e responsabilidades. O fato de colocar ração para os gatos na rua atrai ratos, pombos e insetos. Os recipientes com água parada em diversos pontos da rua irão funcionar como criatórios de mosquitos, inclusive os vetores de Dengue, Zika e Chikungunya.

A nossa reportagem foi até o local para apurar todas as denúncias, que se confirmaram. A população de gatos existe, embora não tão numerosa como foi descrita. Encontramos dois veículos estacionados em frente ao prédio desta senhora, que foram denunciados como depósito de ração e potes para alimentos e água. Realmente os dois veículos encontram-se estacionados com características de abandono e utilizados como depósito; um deles, uma perua Ford Belina antiga, com pneu vazio, confirma a denúncia que está ali sem movimento há muito tempo. No Renault Clio preto também é possível ver estes utensílios, vasilhas e ração. Os dois carros são usados livremente pelos gatos que dormem no teto e o mau cheiro de urina é evidente. Também encontramos, na rua de cima umas pequenas casas improvisadas, feitas com plásticos e restos de madeira, que se assemelham às de um acampamento dos “Sem Terra”. Em conversas com moradores, disseram que chamam o local de “favela dos gatos”.

Tentamos contato com esta senhora, tocando a campainha do seu apartamento, mas não obtivemos resposta, apesar da nossa insistência. Queríamos ouvi-la, na medida em que ouvimos o Serviço de Controle de Zoonozes e o professor da UFF e doutor veterinário Aristeu Pessanha. Ele nos disse: “a maior preocupação, e que se configura em populações numerosas em animais de rua, é uma doença chamada Esporotricose, que também é transmitida por pombos. Ela é muito perigosa, de tratamento muito específico e pode ser letal- tanto para os animais, como para os humanos. Os pombos (que hoje são protegidos por lei de preservação) costumam ocupar caixas de aparelhos de ar refrigerado. A transmissão da doença se faz através do ar contaminado que o aparelho joga para dentro de ambientes, geralmente fechados. Essas situações fora do controle, são promíscuas e tudo se mistura: gatos, ratos, pombos e baratas. Daí, tudo pode acontecer, desde leptospirose, leishmaniose e outras zoonozes. O ideal é controlar estas populações através de castrações. Com gatos de rua é ainda mais difícil e oneroso, embora seja inteiramente necessário. Existem serviços públicos de castração, inclusive da UFF. A grande questão é a ação de captura para efetivar essa contenção. O ideal seria uma ação conjunta da UFF com o Controle de Zoonose, incluindo a presença dos defensores dos animais. A ideia é preservar os animais, desde que as pessoas sejam também resguardadas destas enfermidades. É preciso manter a saúde.” 

Ouvimos também o chefe do Centro de Controle de Zoonoze do município Francisco de Faria Neto, que confirmou que esta situação no Bairro de Fátima é antiga, e que o CCZ junto com a CLIN já fez diversas intervenções neste local, recolhendo as “casinhas de gatos” em via pública, vasilhas e outros recipientes que possam conter água estagnada. Ele disse: “Esta é outra grande preocupação. O verão está aí e o perigo aumenta.” Francisco Faria afirmou que repetidamente alguém faz queixas a respeito dessa senhora, que também reconhece a boa intenção, mas que da forma aleatória como procede acaba criando condições para proliferação de zoonoses diversas. Reiterou: “é uma situação complicada, pois este comportamento desordenado, do ponto de vista da saúde humana, é inteiramente arriscado e possivelmente danoso. Por outro lado, já fomos até denunciados por não estarmos tratando de preservar a questão animal. É difícil administrar, e temos uma serie de razões lógicas: a nossa função e combater e controlar zoonoses. Buscamos a preservação da saúde das pessoas, embora não tenhamos qualquer intenção de prejudicar animais. É uma questão de coerência nas ações. Vamos ter que fazer outra intervenção neste local, e iremos com o pessoal da CLIN. Vamos passar uma revista severa e vamos adequar o ambiente. Os moradores, que estão preocupados, podem estar certos que iremos dar um ordenamento nessa situação.” 

O jornal DIZ vai continuar acompanhando todas as ações e resultados objetivos.


-----------------
Em foco
Niver de Valéria Câmara

-----------------
Em foco
Convocação Geral

-----------------
Em foco
Nikitikitikeru

-----------------
Em foco
Câncer de Mama

-----------------
Em foco
Festa Beneficente da AFR

-----------------
Cultura e Cinema
Hecatombe...

-----------------
Cultura e Cinema
Lei de Talião...

-----------------
Cultura e Cinema
Avalanche...

-----------------
Cultura e Cinema
“Crush”...

-----------------
Cultura e Cinema
A Cura...

-----------------
Cultura e Cinema
Adágio...

-----------------
Cultura e Cinema
Não Te Condeno...

-----------------
Cultura e Cinema
Misericórdia...

-----------------
Cultura e Cinema
Só Meu...

-----------------
Cultura e Cinema
Capim...
 
Últimas Edições
Rua Cônsul Francisco Cruz nº 03 - Niterói/RJ | (21) 3628-0552 / 9613-8634 | dizjornal@hotmail.com
Creat by EADesigns